sexta-feira, 3 de junho de 2011

Solidão

Estes sãos uns versos escritos por mim há muito tempo, tratei de tirá-los do baú e publicá-los aqui. Dedico este poema a todos os solitários.

Um vento frio e fúnebre
Entra pela janela
Este vento e a solidão
São as últimas coisas que me restam.

Lá fora muitos braços
Que não servem para nada
Porque não me abraçam
Lá fora muitos ouvidos
Todos eles inúteis
Porque não me ouvem
Lá fora muitos olhos
Todos eles cegos
Porque não me enxergam.

Há um vento frio e fúnebre
E um coração vazio
E uma alma vazia.

É a solidão, apenas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário